Pesquisa
Inicio / Questões frequentes
Dúvidas Frequentes
Onde Estamos
Rua Mãe de Água, nº 15A
1250-154 Lisboa

De 2ª a 6ª das 9h as 18h
Clique para aumentar »
Há uma série de perguntas que nos são colocadas.

Aqui respondemos a algumas dessas questões.

Que método deverei escolher, cirúrgico ou medicamentoso?

A técnica a utilizar depende do tempo de gravidez e da sua situação Clínica. Essa decisão deve ser tomada por si, podendo contar com a ajuda do seu médico assistente, na consulta prévia, para o esclarecimento de todas as suas dúvidas.

Nesta consulta, é determinado o tempo de gestação e confirmado, por ecografia, que se trata de uma gravidez no útero e em evolução. São colocadas algumas questões sobre a sua história Clínica, como a data da última menstruação, doenças anteriores, entre outras coisas. É informada sobre os diferentes métodos de interrupção da gravidez - cirúrgica e medicamentosa --, e posteriormente poderá escolher o método que pretende, desde que clinicamente adequado à sua situação e compatível com a sua idade gestacional. Ser-lhe-ão dadas todas as informações sobre o decorrer do processo, o que vai acontecer e como, e o que esperar, podendo assim tomar uma decisão de forma segura, consciente e informada.

Até quando posso interromper uma gravidez?

Em Portugal, por opção da mulher, uma gravidez pode ser interrompida até às 10 semanas de gestação, desde que seja realizada em estabelecimento de saúde oficial ou oficialmente reconhecido, que é o caso da Clínica dos Arcos.

A ecografia que fizer terá que datar no máximo 10 semanas e 3 dias de gestação. Passando este limite, já não poderá fazê-lo no nosso país, ao abrigo da alínea e) do n.º 1 do artigo 142.º do Código Penal. Poderá, contudo, interromper ao abrigo das outras alíneas da lei, caso se enquadre nelas (ver legislação).

Como é feita a interrupção cirúrgica da gravidez?

A interrupção cirúrgica consiste na remoção do conteúdo uterino por aspiração e/ou curetagem, e dura apenas alguns minutos.

A intervenção pode ser realizada com anestesia local ou geral. A mulher escolhe o método anestésico que melhor se adapte à sua situação de acordo com a informação médica que obteve na consulta prévia.

Permanecerá na Clínica cerca de 3 horas independentemente do tipo de anestesia escolhida.

E a interrupção da gravidez medicamentosa, como é realizada? Vou sentir dores?

O método consiste na administração de 2 medicamentos diferentes com intervalo aproximadamente de 48 horas.

Os efeitos da interrupção medicamentosa da gravidez são comparáveis aos de um aborto espontâneo e incluem hemorragia (que dura cerca de 10 a 15 dias), e dores abdominais ligeiras ou moderadas. Por vezes, podem ocorrer náuseas, vómitos e diarreia. A Clinica só utiliza este método até às 7 semanas de gestação. Depois desse tempo só realiza interrupções cirúrgicas da gravidez.

O Sistema Nacional de Saúde comparticipa a interrupção da gravidez?

Sim. Deve dirigir-se ao seu Centro de Saúde ou Hospital da sua área de residência. A Clínica tem protocolo com alguns dos hospitais nacionais/ilhas.

E se o médico for objetor de consciência?

Se o médico a que se dirigiu for objetor de consciência e não concordar com a interrupção da gravidez, ele deve informá-la e indicar-lhe, de imediato, outros médicos/serviços a que pode recorrer.

O que devo fazer se demorarem muito tempo a marcar a 1ª consulta?

Tendo em conta que os riscos de uma interrupção da gravidez são tanto menores quanto menor for o tempo de gestação, o período entre a marcação e a consulta não deve ser superior a 5 dias. Por isso, se vir que irá levar mais tempo do que o referido diga que tem muita urgência na marcação, e que por lei, a consulta terá de ser efetuada dentro deste prazo.

O que é o período de reflexão?

É obrigatório para todas as mulheres um período de reflexão de 3 dias, entre a data consulta prévia e a data da interrupção da gravidez. Isto não significa que a interrupção seja realizada passado esses 3 dias, ela será marcada de acordo com o tempo de gestação, a organização do serviço, a disponibilidade da agenda, e a preferência da mulher.

Durante este período a mulher pode solicitar apoio psicológico e/ou social, caso sinta necessidade.

Que complicações podem surgir depois de ter interrompido a gravidez?

As complicações são raras. No entanto, se nos dias seguintes à intervenção tiver febre, com temperatura superior a 38ºC, grandes perdas de sangue, fortes dores abdominais ou mal-estar geral acentuado, deve contatar-nos o mais depressa possível. Para esse efeito, deve ligar para a Clínica, e no caso desta estar encerrada, tem um número de urgências (914 475 661) para o qual poderá ligar, disponível 24 horas/dia durante os 7 dias da semana.

O meu/minha acompanhante pode estar presente do dia intervenção?

Não. A pessoa que virá acompanhá-la deverá aguardar na sala de espera durante o tempo da intervenção, que serão sensivelmente 3 horas. Se quiser também poderá ir dar uma volta e regressar quando tiver passado esse tempo. A Clínica não está organizada de forma a comportar muitas pessoas na sala de recobro, por isso, só a mulher poderá estar presente. Contudo, se quiser que a pessoa que a acompanha se mantenha informada sobre o processo, deverá dar essa indicação na receção antes de se dirigir para o Bloco Operatório.

Para que serve a consulta de revisão?

Esta consulta tem como objetivo avaliar a reação do organismo à intervenção mediante um controle ecográfico. Deve ser realizada aproximadamente 15 dias após a intervenção. É, também, um momento que pode aproveitar para esclarecer algumas dúvidas que lhe tenham entretanto surgido. É muito importante que faça esta consulta.

Quando voltarei a ter a menstruação?

A sua menstruação irá surgir dentro de 30 a 60 dias após a intervenção. Aparecerá dentro deste período se não fizer contraceção hormonal ou não tiver colocado o DIU. No caso de ter optado por fazer este tipo de contraceção, as perdas de sangue ocorrerão noutras alturas. Informe-se com o seu médico assistente.

Poderei voltar a engravidar?

Não há evidência de que um aborto sem complicações tenha implicações na fertilidade futura, provoque resultados adversos em gravidezes subsequentes ou afete a saúde mental da mulher.

A consulta de planeamento familiar é importante quando se faz uma interrupção da gravidez?

Sim. O período pós-aborto é uma oportunidade para abordar preocupações, explicar sinais e/ou sintomas e discutir a contraceção futura. As mulheres devem estar conscientes de que podem conceber 10 dias após um aborto. Nesta consulta pode refletir acerca de todos os métodos de contraceção, obter informação acerca da sua ação e forma de utilização com a finalidade de avaliar qual poderá ser o mais indicado neste momento da sua vida. Nesta consulta, também obterá informação adequada sobre a prevenção das infeções que se transmitem por via sexual. É uma consulta que contribui para a saúde da mulher e da família na sua globalidade.

Poderei trabalhar no dia seguinte? E viajar de avião?

Após uma interrupção da gravidez a mulher pode realizar as suas atividades diárias normalmente, desde que se sinta confortável. Existirão alguns cuidados a ter, mas nada que comprometa significativamente o seu dia-a-dia.

Pode trabalhar, viajar de carro, avião, etc.

Não sou portuguesa, posso interromper a gravidez cá em Portugal?

As mulheres imigrantes têm os mesmos direitos de acesso à interrupção da gravidez, independentemente da sua situação legal.

Vão enviar-me alguma documentação para casa?

Qualquer prestação de cuidados de saúde está sujeita a confidencialidade e ao segredo profissional, incluindo todo do processo de interrupção da gravidez. Não enviaremos qualquer informação para a morada que lhe for solicitada no momento do acolhimento na Clínica. Todos os seus dados são estritamente confidenciais.

Fazem a consulta de Planeamento Familiar?

Não. O Planeamento Familiar deve ser realizado no seu Centro de Saúde com o seu médico assistente ou com o seu ginecologista. No entanto, no dia da Consulta de Revisão (consulta ecográfica), pode ser feita uma Consulta de Aconselhamento Contracetivo (CAC) onde pode obter informação clara sobre os vários métodos de contraceção disponíveis em Portugal, e assim proceder livremente à escolha daquele que melhor serve as suas expetativas e necessidades de acordo com a sua história clínica aquando da Consulta de Planeamento Familiar/Ginecologia. A Consulta de Aconselhamento Contracetivo é gratuita e está inserida no processo de IVG.

Só realizam Interrupções da Gravidez na Clínica dos Arcos?

Não. Para além das IVG, onde estão incluidas as Consultas de Aconselhamento Contracetivo (CAC), fazemos também Consultas de Ginecologia e de Urologia, no qual se inserem as Laqueações de Trompas, Vasectomias e  as Intervenções para Tratamento da Incontinência Urinária.

Posso fazer uma Laqueação de Trompas no dia em que realizar a Interrupção da Gravidez?

Sim, desde que tenha mais do que 25 anos e a certeza que não quer ter (mais) filhos. Neste caso, terá de realizar uma consulta específica para o efeito. Para mais informações, contate a Clínica.

O que é uma Vasectomia?

É um método definitivo que consiste na interrupção dos canais deferentes, impedindo a passagem dos espermatozoides dos testículos para o pénis. É um procedimento cirúrgico simples e rápido (cerca de 20 minutos), realizado em ambulatório, sem necessidade de internamento. É efetuada por um médico urologista, com recurso a anestesia local.

Quando um homem faz uma Vasectomia deixa de ejacular?

Não. A vasectomia não interfere com o relacionamento sexual. O homem continua a ter ereções, a sentir prazer, a ejacular e a ter orgasmos. Não tem efeitos secundários, nem riscos para a saúde a longo prazo.

Com que idade se pode fazer uma Laqueação de Trompas ou uma Vasectomia?

A Laqueação de Trompas e a Vasectomia podem ser realizadas em mulheres e homens, respetivamente, maiores de 25 anos, mediante declaração escrita devidamente assinada, contendo a inequívoca manifestação que desejam submeter-se às intervenções e que foram informados sobre as consequências das mesmas - consentimento informado.

A eficácia da Vasectomia é imediata?

Não. É necessário utilizar outro tipo de contraceção nas primeiras 20 ejaculações ou nos primeiros 3 meses após a cirurgia. Dois espermogramas sem espermatozoides asseguram o êxito da intervenção.

Perco urina de vez em quando, sobretudo quando faço algum esforço. Há algum tratamento que possa fazer?

Sim. A correção cirúrgica tem um papel muito importante não apenas pela sua elevada eficácia, mas também pela sua simplicidade de execução com mínimos efeitos indesejáveis para a doente. As técnicas cirúrgicas de eleição atualmente passam pela colocação de fitas de material sintético (mini-slings) sob a uretra, por meio de uma abordagem vaginal, com uma pequena incisão de um a dois centímetros, de modo a reforçar pavimento pélvico. A intervenção é feita sob anestesia local e durará cerca de 30 minutos. O pós-operatório é fácil e os resultados são praticamente imediatos.


Miembros de